Pessoas, ruas, paisagens, vozes, o rap e a poesia lírica, as consolações e mistérios da língua e os percursos de um jovem poeta na Bahia e no mundo afora, tudo isso se faz presente em novas ofertas de emprego para ederval fernandes, o segundo livro de poemas de Ederval Fernandes, que acaba de sair pela paralelo13S / livraria Boto-cor-de-rosa. A orelha do livro traz uma bela apresentação assinada pelo poeta Ricardo Domeneck.

“Se vemos neste livro o minimalismo que caracterizou uma porção da boa poesia brasileira a partir do final da década de 1990, em especial sob o influxo de João Cabral de Melo Neto e Robert Creeley, o que diferencia o trabalho de Ederval Fernandes está na subordinação do imagético ao sonoro, ligando seu trabalho ao de mestres vivos como Augusto de Campos e Ricardo Aleixo. É o minimalismo de uma voz que diz e mostra o mínimo múltiplo comum das experiências, muitas vezes traumáticas, do nosso próprio corpo ao contato de outro corpo, e em negociação com todos os corpos da comunidade. Os vivos. Os mortos. As vozes deles todos.” – Ricardo Domeneck

Saiba mais sobre o autor e compre o seu exemplar, clicando aqui!